domingo, 19 de novembro de 2017

Ainda sobre o futsal

O futebol é um desporto violento,  de brutos onde a linguagem utilizada é muito má. 
Sábado, dia de jogo e eu fiquei passada, a ferver por dentro como há muito muito tempo não estava. Porquê? Pela estupidez que mina as pessoas que vivem para o futebol dos filhos, ou seja, as mães. Não todas obviamente, mas umas que verbizam coisas antidesportivas, que fazem reparos feios sobre CRIANÇAS da mesma equipa, como "foda-se, até esse entra" com a mãe ali ao lado [Eu by the way] e outras  pérolas que uma pessoa não pode dizer sobre CRIANÇAS.  Sou muito discreta e no final apenas disse que eram CRIANÇAS e não se devia exigir que jogassem como os profissionais, mas lá está, a estupidez tolda o discernimento a algumas pessoas quando se trata de bola e de filhos. 
O mundo do futebol é mesmo limitado. Joguei basquete durante anos e corro e nunca senti nada disso, essa coisa violenta. Enfim.
No fim do jogo, perguntei ao meu filho se estava triste, pois alguns colegas reagiram mal perante a derrota. O Tiago respondeu que não porque tinham jogado bem com a bola mas tinham de saber jogar melhor sem a bola e tinha gostado muito porque se tinha divertido. Rico Tiago que não liga nada à resultados e que percebe muito mais do que muitos adultos: o desporto é para ser vivido com um sorriso nos lábios e deixar-nos bem. 

2 comentários:

Maria do Mundo disse...

Eu tenho duas meninas que não gostam de jogar futebol. Mas, lembro-me de ir ver os jogos do meu afilhado e ficar sempre de coração nas mãos.

Mary QA disse...

Deve depender das equipas, mas acho que sei do que falas. A claque do clube do meu mais velho tem fama (ou dizemos nós que tem fama!) de ser exemplar - ninguém se exalta, tudo tranquilo, apenas gritamos de incentivo quando vão ao ataque, e aplaudimos. Mas já assisti a uma claque de pais a vaiar a nossa equipa no fim do jogo quando vão lá cumprimentar os adeptos! Vaiar crianças! Mas foi tão insólito que eles é que ficaram mal!
Dito isto tenho de mandar calar o pai cá de casa muitas vezes. É um treinador de bancada inato e às vezes a tentação de mandar bitaites para o campo é mais forte. Eles estão instruídos para só ouvirem o treinador, mas ainda assim...
(e com isto te digo que é o único pai a mandar bocas para dentro do campo, para veres como somos mesmo exemplares!)