sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Quando este blog ainda tem muito de um babyblog...

O meu Pedro continua a fazer xixi na cama. Não são todas as noites, felizmente, que esta coisa de mudar os lençóis da cama desgasta-me! Esta semana, foram duas vezes. Na semana passada, uma,  and so on. 

Já passámos por várias fases:
- faz xixi porque ainda é pequeno (enfim, já tem 7 anos...);
- faz xixi porque todo ele é pequeno, logo a bexigo deve ser pequena também (eh pá, mas não é minúscula e isso são meras especulações de mãe...);
- tem aquele problema nos testículos / bexiga / rim (já foi operado há 3 semanas...);
- faz xixi porque está sujeito a uma pressão qualquer (mãe, pai, colega da escola que o assusta, professora, la rentrée, etc.).

A verdade é que já não sei o que fazer. Ralhar não ralho porque ele sente-se mal por isso acontecer, mas bolas, esta noite, passei-me porque ele estava a dormir comigo, colado a mim e pronto, imaginem como acordei... pois,  isso mesmo, ensopada. Irra, é difícil ter calma às 3h15 da manhã nessas condições. 

Alguém conhece uma forma de poder ajudá-lo?

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Tribo ou o regresso da tão desejada saga "Run Tella, Run"

Hoje, numa reunião de pais, um encarregado de educação inicia a sua conversa dizendo "já vi que é atleta" . Perante a minha reação (tipo hein?), o senhor aponta para o meu relógio, levanta a sua camisa e mostrar-me o seu Garmin vermelho. Rimos. Trocámos umas palavras sobre o aluno e despedimo-nos com a conversa de sempre" prazer e tal, até à próxima" e claro, "boas corridas"! 

domingo, 22 de janeiro de 2017

A estreia

Trouxemos avós e netos pela primeira vez ao estádio da Luz. 
Foi uma alegria! 

(Na foto, festejo do segundo golo do Benfica. )

sábado, 21 de janeiro de 2017

7 anos de ti, Pedro

Até custa escrever 7 anos. Fogo, és o meu mais novo, o meu bebé, aquele que não consigo ver crescer, aquele a quem ainda dou muito colo, a quem ainda dou comida à boca quando o desespero cresce de ver a comida há séculos no prato. E no entanto já tens 7 anos.
Ao longo dos 7 anos, aprendi muito. Percebi muito cedo que vieste a este mundo para virar o meu ao contrário. Contigo, chorei muito. Por ti chorei muito também. Mas contigo, sorri e sorrio mais ainda. 
7 anos...A sério? 
És tanta coisa. És o miúdo que acorda com mau feitio, que grunha monossílabos incompreensíveis até começar a comer a torrada. És o miúdo que quer dormir de manhã, que precisa do seu tempo para se reencontrar, só isso.
És o miúdo que me puxa o cabelo,em várias situações, desde dos tempos em que adormecias na minha mama. Ficou-te esse hábito. 
És o miúdo que se emociona com declarações de amor da avó ou dos pais, mas que aguenta as lágrimas. Abraças com força nesses momentos e puxas-nos o cabelo. Ao teu irmão, disseste -lhe que o amavas porque é o teu melhor amigo e porque adoras brincar com ele. O meu coração de mãe agitou-se com o vosso abraço depois disso. Está gravado cá dentro e dentro de ti, eu sei.
Só choraste uma vez durante um desenho animado; foi com a separação da Heidi e do avô. Nos momentos mais dramáticos de outros filmes, olhas sempre para mim e eu sei que estás a fazer muita força para não chorar e queres que eu vejo que não choras mas não entendo a razão. Mas aceito e nunca comento. Digo por ti "que triste" e siga. 
Passas horas a brincar sozinho, no teu canto, com os legos ou a brincar com os teus peluches, o teu ursinho. Adoras desenhar e recortar papéis. Ficas horas nisso também. 
Ainda não sabes ler mas está quase. A escola diz-te pouco. Para ti, filho do meu coração, a escola é um lugar aborrecido onde só contam os intervalos. Arrastas os TPC e a vontade de aprender  também.
Nem sempre te acho simpático com os outros. Não usas máscaras e não estás para fretes. Falta-te muitas vezes um filtro e parece que ainda não interiorizaste as regras da sociedade.  Alheias-te do mundo demasiadas vezes e há momentos em que me preocupo com isso.
És o filho que mais me diz "amo-te", que mais mostra dependência de mim. Ainda olhas para mim com esse olhar de amor supremo e absoluto. Ficas triste quando o pai vai para fora mas passa logo porque sabes que dormirás comigo nessas noites. Dás-me beijos repenicados mas limpas a tua face quando alguém te dá um beijo. Andas sempre à procura de uma namorada, sempre. És um d.juan. Se vês alguém na televisão a dar um beijo, viras a cara. Se vês os teus pais a beijarem-se, tapas os olhos.
 Quando estamos os três na sala ou na cozinha, vens ter connosco e dizes sempre "chegou o mais bonito!". Sim, és o meu filho mais bonito mas és muito pouco fotogénico. Em 100 fotos, aproveita-se duas ou três! 
És chato também. Consegues repetir uma coisa n vezes, queres vencer-nos pelo cansaço. O teu irmão perde logo  a cabeça contigo quando entras nesses esquemas. Eu também. 
Andas doido pela bola e pelo Benfica. Gostas de cantar com o pai mas ficas envergonhado. És muito tímido, até com ele. Acho que tens medo de falhar. Detestas falhar ou perder. És inseguro, tu que tens tanta força dentro de ti; tu, que és, sem sombra de dúvidas, uma força da natureza. 

És um diamante em bruto. É preciso paciência e tempo para te lapidar. És constantemente uma fonte de surpresas. És por isso mesmo o amor da minha vida também. 

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Eu, quase 40, a parecer 25! Oh yeah!

Há uns tempos, fui fazer exames a tudo e mais alguma coisa. A médica, quando soube que não comia carne, quis ver se estava tudo bem quanto aos valores de proteína, B12, sódio, magnésio, cálcio e afins. Quis também verificar vários órgãos, desde o coração, ao fígado, aos pulmões e afins.
Estava nervosa porque desde a Joana, tenho sempre receio que me digam que tenho uma doença qualquer ou que estou com um déficit nutricional que me pode levar a uma doença grave. É um receio constante que me acompanha. Uma chatice.
No fim da consulta, a médica disse que os meus exames estavam "verdadeiramente fabulosos" e que tinha um corpo , por dentro, entenda-se, de quase 25 anos! 
Respirei de alívio! A hipocondríaca que há em mim está mais calma mas pelo sim, pelo não, vai continuar a beber em jejum um copo de água com spirulina, mesmo que saiba muito mal, porque está cheio de coisas boas e livra-nos das coisas más. Amém.

Aquele momento em que colocas a última peça do puzzle de mil peças...

...e verificas que afinal ainda te falta uma mas sabes de antemão que já a perdeste;
...e pensas no bom que foi fazê-lo enquanto bebes um chá quente;
...e pensas que não tarda nada, estás a fazer crochet.

domingo, 15 de janeiro de 2017

Quando é que sabes que tens filhos crescidos? IV

Quando tens de comprar desodorizante para o mais velho...

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

De 2017

O meu mais novo está, neste momento, numa sala de cirurgia. Está a ser operado a um testículo. 
Esteve sempre animado mas mesmo assim, deixaram-me entrar com ele para o bloco operatório até a anestesia fazer efeito, supostamente para não se assustar. Pois, mas assusta e muito a mãe. Nem sei como me aguentei, que ver enfermeiros e médicos à volta do meu filho, com tubos e coisas, é coisa para me causar uma ansiedade brutal é um ataque de choro descontrolado.

domingo, 1 de janeiro de 2017

Quando é que sabes que afinal não estás assim tão crescida quanto isso? Pffff

Quando, na passagem de ano, vislumbras Bagdad ao longe (ou ao perto, vá) e agarras-te antes da meia-noite à sanita. 

Nota a ter em conta para sempre: gin, nunca mais. 

Quando é que sabes que estás crescida?

Quando decides passar a passagem de ano com o mano, pais e avó. 

E foi tão bom! 
(E até a avó dançou!)