domingo, 28 de fevereiro de 2016

And the Oscar goes...

Longe vão os tempos em que via a cerimónia dos Óscares. Este ano, acho que não vou ver nada, nem o red carpet.
Vi, no entanto, todos os filmes nomeados. Para mim, ganha o Inside Out na animação e O Quarto de Jack no melhor filme. O DiCaprio e a Cate Blanchett ou a Jennifer Lawrence ganham a estatueta de  melhores atores.
A ver se acerto alguma coisa esta noite.

domingo, 21 de fevereiro de 2016

A família, pelo Pedro

Claro, sou aqui também a que tem o cabelo em pé!

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Tiago, agora

"Mamã, mamã, anda ver a minha surpresa! "
Está no PC, com o word aberto, a escrever uma história cujo título é "A montanha azul".

Sexta-feira chuvosa, chego ao carro e está assim....
Mando umas SMS, envio umas fotos a pedir conselhos e a mulher queselixetudo que há em mim pega nos miúdos, sai do estacionamento, levanta o braço e diz "táxi".
Trataremos disso depois...tipo amanhã.
Siga.

sábado, 6 de fevereiro de 2016

Clássicos

Andamos a ver com eles os clássicos da nossa juventude. Depois de ET, Gonnies, Indiana Jones e Star Wars, estamos na fase do Daniel San, com o Karake Kid e o maravilhoso Regresso ao Futuro...
E eles adoram!

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Um dos sonhos do Pedro

Saber escrever japonês ou chinês. Está na fase em que pensa que é tudo igual. A Ásia, que para ele são estes dois países num só, fascina-o.
A mascará de Carnaval: um ninja com a bandeira do Japão, claro.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Eu, Tella Marie, corri 17 km

Deitei-me cedo. Dormi mal. Tive pesadelos durante a noite, tudo relacionado com os transportes para chegar à prova e os atrasos. Às 5 da manhã, tudo psicossomático, estava eu na casa de banho, com a barriga a passar-se. Até o período veio um dia mais cedo. 
Acordei cedo, nervosa. Raios parta pá. Depois de um bom PA, lá fui ter com a minha companheira Carolina, direção Sintra. Paniquei quando lá cheguei porque constatei que talvez 90% dos participantes eram homens. Onde é que me ia meter?
Mas foi bom e difícil. Morri apenas uma vez, ao quilómetro 10. Subida brutal, depois de 5 km sempre a subir (que quase me mataram mas aguentei-os!) e de corrida plana.  O quilometro 10 foi uma morte muito a sério. Incapaz de correr, só a andar. Demorámos 10 minutos a fazer um quilómetro! Mas conseguia falar, céus, fa-lar! Que feito, senhoras (e senhores, será?)
Fiquei tão contente comigo. Juro que pensei que ia ser a última (e não fui). Pensei que a prova ia encerrar e eu sem chegar à meta e não aconteceu nada disso. Cheguei e fiquei tão contente. Porra pá, corri 17 km! Cruzar aquela meta deu-me aquela sensação de que sou capaz de tudo e que tudo vai correr bem. Aliás, cheguei hoje ao trabalho com a ideia que tinha regressado de férias, como se tivesse deixado o colégio há imenso tempo... Querem melhor do que isso? Um fim de semana que parece férias, graças a uma corrida?

Mais uma vez, descobri que o nosso corpo é uma máquina e que tudo é possível quando queremos, como disse a Carolina. 
(E sim, estou ainda super convencida do meu feito e com um sorriso parvo na boca...)