segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Sinceridade a mais...

- Pedro, tens cocó?
- Não mamã. Não é o mano. Fui eu que dei um pum!!!

(lol)

Para ler quando estiver com vontade de mandar tudo às favas!

Hoje, o final do dia deu para tudo*: deu para ir buscar o Tiago à piscina pela primeria vez em dois anos (que "sup'esa fixe mamã!"), ir ao parque, fazer madalenas que foram bimbadas pelo Tiago (limitei-me a dar as instruções e dizer chega na quantidade de açúcar e farinha), tratar do jantar, dos banhos, brincar às escondidas, fazer puzzles e jogar ao Chiken House no site friv.com (Ai que vício para os três! Até o Pedrinho diz "aqui, aqui!"). E rir e improvisar músicas tontas. Toda a tarde e serão sem uma única birra. Paraíso!


Apreciar os momentos bons e focar-me neles.


*Sair super cedo do trabalho é do melhor! Já não me lembrava como era!

sábado, 28 de janeiro de 2012

Da consulta

O meu Pedro está afinal no percentil 3 (!) no que diz respeito ao peso, com 10,350 kg e no percentil 10 no comprimento, com 82 cm.

Está a sair de uma gastroentrite e está constipado, com o ouvido esquerdo inflamado.

A pediatra quer revê-lo em abril para decidir se tem de ir a uma consulta de otorrino.

Ela acha-o bem, super esperto e com bom aspeto.

Quando utilizei a expressão força da natureza para caracterizar o meu filho, ela riu-se e adorou! Disse que tinha acertado em cheio!


Gosto muito da pediatra porque ela simplifica, não dramatiza. Rio-me tanto com ela. Gosto também dela porque me trata pelo meu nome e não por mãe. Sabe que sou também a mãe do Tiago e por vezes, parece-me que se preocupa tanto comigo como dos meus rebentos. Like it!

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Mais do mesmo

Pedro está novamente sem percentil. Raio do moço que não entra nos eixos por nada pá!

24 meses: 10,400 kg

sábado, 21 de janeiro de 2012

2 anos de ti Pedro (post igual a tantos outros pela blogosfera fora)



O meu lindo filho faz hoje dois anos.

Embora ele tenha nascido há apenas dois anos, parece que está comigo há uma eternidade, parece que ele sempre esteve cá. Estou perdidamente apaixonada por ele. É impossível não estar. Ele é tudo de bom na minha vida.

Hoje, esteve aninhado ao meu colo, como se fosse um recém-nascido, enquanto eu lhe cantava ao ouvido uma música do Caetano Veloso. E chorei. Foi um daqueles momentos que me enche e que me ultrapassa. Foi um momento só nosso. Só um filho para nos transportar para um outro mundo e esquecer tudo.


Estes dois anos foram bons mas também foram difíceis. A cena dele não crescer de acordo com o estipulado, o internamento no hospital, a hipotética doença genética levaram-me à loucura e tornaram-me numa pessoa mais ansiosa. Esta ansiedade toldou-me também o discernimento que me fez insistir na amamentação porque acreditava, na altura, que era o mais saudável para a minha cria. Agora, acho que fui tonta, ou melhor, egoista e louca. A verdade, esta verdade que custa admitir, é que a ansiedade e mais coisas que andam por aqui levaram-me a crer que se deixasse de amamentar, qualquer pessoa poderia ficar com ele, a qualquer momento. Tornar-me-ia descartável. Sim, pensei assim e por ter pensado assim, prejudiquei o crescimento do meu filho. É uma culpa que carrego, sem dúvida alguma. É uma coisa que cá anda e que me chateia. Percebo também agora que comecei a ficar pr'o maluca, como quem diz com uma pequena depressão, nessa altura. Não aguentei essa ideia louca de poder ficar sem ele, nem aguentei a pedalada de ter dois pequenos. Alias, acho que este post é bastante revelador. E fui-me abaixo.



Essa é também uma das culpas que carrego: associar o nascimento do meu Pedro a essa pseudo-depressão. Este é um post sobre os dois anos do meu rapaz e eu opto por falar dessas coisas menos boas.



O meu Pedro é uma força, um puto com um feitio do caraças, mas também um puto muito meigo, que diz "go'to d'ti" com um brilho especial nos olhos e que me dá beijos babados e rebenicados como só ele sabe. É o meu mundo. Aquela mordidela que ele me dá no ombro quando está ao meu colo e quer brincar irrita-me mas é irresistível. Aquele sorriso malandro quando diz "feiofeiofeio" derrete-me. Aquele "esse não" que mostra já uma vontade e uma determinação muito grande orgulha-me.


Este meu bebé veio a este mundo para virar o meu mundo ao contrário. E ainda bem!

Parabéns filho do meu coração. amote

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

O meu Pedro está quase a fazer 2 anos

e reli os posts do mês de janeiro 2010. Encontrei esta foto (38 semanas) e deu-me uma saudade e um aperto no peito*. Decididamente, hoje, não estou nos meus dias!

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Um dia,

filmo o Pedro a correr para mim, quando os vou buscar à escola, feliz, contente, excitado, e me dá um dos melhores abraços da minha vida, enquanto o irmão me diz "vai trabalhar mais um pouco que fico a brincar cá! " :)

Tatuagem

O meu Pedro a pedir-me "éla, éla" [estrela] agarrado à minha perna significa que quer ver a minha tatuagem. Quando a vê, ri-se e solta um "aaaaaaah" de admiração. O máximo a reação dele!

O Tiago pergunta-me sempre "posso tocar?" e com ar de safado, passa a mão por ela, como quem a quer apagar e acaba sempre por dizer "não sai!"

domingo, 8 de janeiro de 2012

E quando estamos a dormir

e ouvimos, muito ao longe, alguém a chamar por nós..."mamã, mamã"...e pensamos "não deve ser para mim", o que é que acontece?


Levamos com uma chapada na cara que nos faz ver estrelas e saltar imediatamente da cama, a pensar "olha, afinal era comigo!"


(by Pedro, claro)

Nota sem nenhuma importância

Só para dizer que as coroas (alusivas ao dia de reis) feitas na escola dos meus filhos são super apaneleiradas!

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Para 2012, desejo

- saúde, mais discernimento e vá, já agora, mais dinheiro na minha conta!

[uma das resoluções deste ano é não pedir muito]

2011

Foi o ano em que o meu Tiago se tornou um doce de menino e o meu Pedro uma força da natureza.

Foi também o ano em que fiz uma tatuagem que tem muito significado para mim e que só poderia ter sido feita no último dia do ano.

E claro, foi o ano de tantas outras coisas: umas boas, outras más e outras assim-assim.


[E quando se fala de 2011, lembro-me sempre da tua citação C. porque acertaste em cheio!]