sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Da saga "run Tella, run"

20km no trail de Ferreira do Zêzere.

Um desafio constante; uma superação fantástica;  uma prova difícil, com subidas que tinham de ser feitas com cordas e que mais pareciam escalada do que outra coisa; uma espécie de hipnose onde me organizei e me tentei reencontrar ao longo de 3 horas e muitos minutos; um cenário cinzento e seco mas mesmo assim maravilhoso porque sabemos que em breve a vegetação há de renascer das cinzas; umas cenas que contadas, enfim, dão um filme; gargalhadas trocadas com a Carolina e sempre aquela sensação que o pessoal dos trail é malta 5 estrelas. 

Que terapia senhoras, que terapia!

Quando é que sabes que tens filhos crescidos? XVIII

Quando levas o teu filho ao treino e, antes de entrar no carro, ele pergunta "posso ir sentado à frente?"

[E foi pela a primeira vez.♥]

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Matemática

O miúdo tem outra vez teste de matemática amanhã.
O pai está fora, mais uma vez e mais uma vez, o meu cérebro deu um nó perante as dúvidas! [Dentro de mim ecoa um gigantesco "daaaaaassssse"silencioso quando ele vem com dúvidas, tipo minuto a minuto...]

Divisores,múltiplos, não sei quê de Euclides, propriedades, números primos (descobri que havia números primos entre si, lol), mdc, mmc e os raios que partam. 

Pessoas com bebés, acreditem numa coisa: a amamentação e acordar de duas em duas horas não é nada comparado com a matemática que os putos têm de saber. 

sábado, 4 de novembro de 2017

Do futsal

Na semana passada, a equipe da bola do meu mais velho levou 18 golos do Benfica. 18. Houve meninos que saíram a chorar, coitados. Houve pais absolutamente revoltados com o "mister", que simbolizou a grande derrota dos nososs rapazes, que não percebem que o Benfica seleciona meninos, vai à procura dos melhores e só estes jogam. Confesso que achei muuuuito golo mas como a bola não é a nossa vida e sei que os meus filhos nunca serão um CR7, não liguei muito. O Tiago tambem  não. Um jogo para ele é um jogo. Encaramos a bola como uma tempo de lazer: é a cena de jogar num coletivo e fazer desporto, tão essencial para a nossa paz interior. 
Hoje, está  a jogar contra um clube como o dele. Estão a ganhar por 6-0 ao intervalo e comentei com uma mãe ao meu lado que estava com pena dos outros meninos, que se calhar já chegava. Ui, Ui, o que fui dizer...
Decididamente não sou uma soccer mum ou lá como se escreve isso. 

Nota

Sobrevivemos à festa de "pizza e pijama" do décimo aniversário do meu Tiago. Foram só 4 miúdos + os meus 2 e tenho ideia que não me meto noutra idêntica tão cedo!
(Deitar 6 miúdos lkicos de excitação é tarefa inglória para qualquer adulto e mais não digo...)

(Feliz que ele estava!)


quinta-feira, 2 de novembro de 2017

10 anos de Tiago

O meu filho faz hoje 10 anos. 
Já muito escrevi aqui sobre ele e não me vou alargar muito.
Esta será talvez a frase que define a fase em que se encontra: sente-se o dono do mundo porque vai ter dois dígitos mas quis dormir comigo no seu último dia apenas com um dígito.
Amor maior este meu filho. 

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Quando é que sabes que tens filhos crescidos? XVIII

Quando ele fica a ler o seu* livro, que está sempre na mochila, numa sala de espera do hospital.

[* Na verdade, ele está a ler um livro meu: o Harry Potter e a Pedra Filosofal.]

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Ouvi dizer que o calor voltou e que o sol brilhou lá no céu. Não me apercebi de nada mas acredito.

O mais velho tem teste de Inglês na segunda, oral de Inglês na quarta e teste de HGP na sexta.

O mais novo tem teste de português na segunda e EM na sexta.

Tenho neste momento 7 turmas de testes para corrigir. 

[Tudo isto, como grande parte da população portuguesa, sem empregada, pais ou sogros que pudessem cá trazer uma sopinha pra semana e dar-me, de vez em quando, uma mãozinha... ]

Aaaah, os fins de semana preenchidos! Já tiveram tanto um significado mais engraçado!


sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Os TPC pelo Pedro

Estava a ver os cadernos do Pedro quando vi que ele tinha escrito:
 "TPC - tortura para crianças"

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Da mãe, mas da minha

A minha mãe e eu sempre falámos uma com a outra em francês até virmos todos para cá, em 1993. A minha mãe deixou de falar francês comigo e eu com ela. Não sei bem as razões, se foi uma coisa pensada ou que simplesmente aconteceu porque, na verdade, houve (ainda há?) uma fase da nossa vida em que não falávamos muito uma com a outra. A  nossa língua era mais o silêncio, muitas vezes ensurdecedor.

E não deixa de ser estranho para mim que a única língua que ela fale com os irmãos seja o francês. Sempre que a oiço falar nessa língua, fico sempre a pensar:
1) Francófona uma vez, francófona para sempre;
2) Fala tão bem, tão naturalmente que parte dela só pode sentir-se francesa;
3) Bolas, mas por que razões é que não falamos a mesma língua  (seja ela qual for).



domingo, 1 de outubro de 2017

sábado, 30 de setembro de 2017

Suspiros

O mais mais velho teve o seu primeiro jogo oficial.
...
...
...
E dei por mim a gritar "chuta, chuta"!
[Verdade.]

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Coisas parvas que ainda ma fazem sorrir

Ir para as minhas salas de aula e cruzar-me com o meu mais velho nos corredores dos pavilhões. 

[Para ele, ainda não é embaraçoso... Espero que nunca o seja!]

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Quando é que sabes que estás crescida?

Quando apanhas as uvas da eira da casa da terra durante várias horas (não vamos dizer que andei nas vindimas que seria uma afronta para quem a faz, pois não apanhámos mais do que 70 kg ) e achas relaxante e muito muito giro. 

A roupa é completamente despropositada, eu sei, mas quem não tem cão, caça com gato*.

[ *Também sabes que estás a ficar pró "crescida" quando usas muitos provérbios no teu dia a dia. ]

sábado, 23 de setembro de 2017

Run Tella run

Conversa tida há pouco enquanto corria com duas senhoras, uma à espera do padeira e outra com umas couves [bem jeitosas] na mão.

- A menina é de cá?
- Não é, pois não?
Desacelero e respondo que sou da Sapateira.
- Espere, espere. Então quem é?
Paro.
-Sou neta da ti'Aida e ti'Anibal do fundo do lugar...
- Ah, casou com o neto do Joaquim Maria da Senhora da Guia. 

E pronto, feitas as apresentações, no meio da conversa sobre a minha avó, tios, filhos e afins, ainda tive direito ao "tem 40 anos? Está tão bem conservada!".  

Já ganhei o dia! 

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Mulher de prata

A Carolina tinha-me falado do movimento e ando a segui-lo nas várias redes sociais.
Achei maravilhoso: não sou a única a não pintar o cabelo; não sou a única a assumir os cabelos brancos aos 39 anos.

Este verão, alguém achou por bem dizer-me assim, in my face, "pinta o cabelo pá!" e quase que podia jurar que a frase começou com um "foda-se". Mas não sei se o disse ou se o pensou. O mais estranho ou engraçado, não sei, é perceber que os nossos cabelos brancos incomodam muito os outros, como se fossem um espelho, como se lhes devolvessem a imagem deles também mais envelhecida e se recordassem constantemente que o tempo também está a passar para eles. Será? 
E as pessoas que falam comigo e cujo olhar acaba sempre por incidir nos cabelos brancos, na madeixa? Incrível! Parece um íman, como as mamas quando o decote é super decotado. Mesmo.  

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Sai um chá de camomila para a mãe do canto!

Sempre fomos uns sortudos: chegamos cedo a casa. Em média, às 17h15 ao mais tardar, estamos os três em casa. O pai cá de casa chega uma hora e pouco depois. 
As atividades deles eram às sextas, das 17h00 às 18h00. 
Sempre tivemos tempo para fazer muita coisa juntos, nem que seja não fazer nada sem culpa, mas juntos.

Agora de repente, estão a ter treinos quase à noite, às segundas, quartas, quintas e sextas, das 19h às 20h30. O horror! A preocupação, a angústia e o stress instalaram-se na minha cabeça tão frágil. Passámos o domingo a confecionar as refeições para a semana para que seja mais fácil mas ainda há muita coisa a stressar-me.
1) A hora do jantar que sempre foi às 19h30/19h45 no inverno passa a ser quase às 21h00. Simplesmente horrível porque não passámos tempo de família juntos após a refeição. Enquanto como, só penso que eles têm de ir para a cama e dou por mim a querer despachar o momento do jantar, que sempre foi feito de forma tranquila; 
2) Não temos um tempo para ver a nossa série em família após o jantar ou jogarmos às cartas ou... Não temos tempo para estarmos juntos, os 4;
3) O tempo de deitar sempre foi às 21h15 mas agora passa a ser mais tarde e ainda por cima agora, que acordam mais cedo do que nos anos anteriores; 
4) O Tiago no 5º ano requer mais foco nos estudo, mais tempo...que agora não tem. O que será do meu filho?
5) O Pedro, mais novo, acusa cansaço muito facilmente e fica sem apetite. Preciso de relembrar que ele é muito muito magro e que comer sempre foi a nossa saga?
6) Ir ao ginásio ou correr está difícil de encaixar agora.

Como fazem para não stressar com isto tudo? 
O desporto é essencial, eu própria não passo sem ele, mas será assim tão importante ao ponto de ficarmos todos doidos? (eu pelo menos eu, vá!)
Dicas senhoras, preciso de dicas! 



quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Quando é que sabes que tens filhos crescidos? XVII

Quando o teu filho começa hoje as aulas no 2º ciclo.
Ele estava ansioso. Informou-me há uns dias que ia chumbar o 5º ano porque ia ser muito difícil e ele não era muito bom na escola. O blábláblá da mãe reconfortou-o e sentiu-se hoje pronto para começar.
Foi feliz. 

Mãe que é mãe deixou recomendações: 
- senta-te na 1ª ou 2ª fila;
- não vás para o intervalo com a lancheira, apenas com o lanche;
- ouve os professores e colabora com todos;
- aprende muito que és o maior.

Filho que é filho entende as recomendações da mãe à sua maneira:
- no 1º intervalo, saiu com a lancheira;
 - sentou-se na última fila.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Adeus natação, olá futsal

Pedem-me para treinar num clube de futebol há anos. Por vários motivos, resisti até ontem. 
Hei, no entanto, de resistir para todo o sempre à ideia de me tornar uma soccer mom. Prometo.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Quando é que sabes que tens filhos crescidos? XVI

Quando o teu filho mais velho deixa de dormir com o "meu cãozinho" - peluche oferecido pelos amigos dos sogros no dia em que nasceu e que lhe fez sempre companhia desde esse dia. 

domingo, 10 de setembro de 2017

Perguntas rápidas

Sou a única a ficar eufórica com as fotos no Instagram da Madonna? 

Sou a única a ficar eufórica com a remota possibilidade de andar por Lisboa e me cruzar com a Madonna?

Sou a única a ficar eufórica com a ideia do que posso estar a menos de 4/6 km da Madonna?

[A Madonna, senhoras, a Madonna, aquela cantora que faz parte da minha adolescência é que...que... ]

sábado, 9 de setembro de 2017

Das coisas que as pessoas nos deixam

Manda a tradição estabelecida pela minha avó que em dia de festas de anos ou no natal, ela deveria brindar sempre com vinho do porto. 
[Hoje fomos festejar os seus 92 anos e no fim, pediu à empregada um cálice de vinho do porto.]
Já lhe disse que dentro de muitos e muitos anos, quando ela já não estiver fisicamente entre nós, haveria de ficar no lugar dela e brindar em família só com vinho do porto. Ela riu-se.

A minha avó paga as cotas do santíssimo, seja isso o que for. Sei apenas que são 5 euros anuais. Não sei qual o objetivo nem nada e na verdade, nem me interessa. Já lhe prometi, no entanto, que dentro de muitos anos, quando ela não estiver fisicamente entre nós, ficaria eu a pagar as cotas do santíssimo por ela. Nesse dia, ela ganhou o dia!!

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

O piropo mais lindo que ouvi...

...foi na noite do nosso mega arraial. Um miúdo giro, com 18-22 anos, alentejano, voluntário no nosso Concelho, que me perguntou a idade. Quando lhe respondi 40*, disse que era impossível, pois tinha "as pernas de corredora, as pernas mais bonitas do arraial da senhora da guia".
Até lhe dei um abraço! 

[Nota: dei abraços a muita gente nessa noite, pois também foi uma festa de afetos.]

*Na verdade, tenho 39 anos mas arredondo para facilitar e sobre este tema, hei de escrever um post. 

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Quando é que sabes que tens filhos crescidos? XVI

Quando decidimos ver em família, antes de irem para cama, uma série para crescidos.

sábado, 26 de agosto de 2017

E a festa Tella, como foi?

Ainda não sei se consigo pôr em palavras a nossa aventura na festa da aldeia. Ainda estou muito emocionada.
4 semanas antes, Miguel e eu decidimos que devíamos fazer qualquer coisa na festa da aldeia. Não havia mordomos, uma das vítimas dos incêndios tinha-se chegado à frente para fazer qualquer coisa mas a sua morte deixou tudo ainda mais triste. Alguém tinha de a fazer e fomos nós.
Nunca acreditei que íamos ter tanto sucesso. Vendemos 1000 litros (sim, mil) de cerveja, fora tudo o resto: porco no espeto, 70kg de bifanas, caldo verde, sardinha, etc. Foi um arraial digno dos Santos de Lisboa. Inicialmente pensámos em juntar no máximo dos máximos 300 pessoas e isso até era quase um delírio. Pensamos agora que estiveram cá 2000 pessoas. Tivemos até a sorte de aparecerem pro bono uns senhores para tocarem concertinas e batucos. Foi o delírio de todos.
Demos o litro. Não vi nada, não me diverti nada. Só trabalhei e muito. Estive 48 horas sem ir à cama. Proporcionei aos outros uma grande festa, um momento feliz num cenário triste. Que orgulho. Como dizia o Vítor, colega que fez parte da organização, "temos uma história para contar. É a primeira vez que umas pessoas que não  são comissão de festas fazem uma coisa dessas e que coisa nós fizemos!". E chorei com as palavras dele.
O pai cá de casa foi o meu maior orgulho. Só espero que os meus filhos sejam como ele. Ele foi o motor, a cabeça pensante de tudo, o que nos puxava pra frente. Um Homem capaz de tudo. Foi o maior. Teve entretanto não sei quantos convites para organizar as próximas festas. Mas não, obrigada! Chegou ao limite do esgotamento físico e emocional. (Ainda hoje foi devolver mesas aos centros recreativos de concelhos e aldeias vizinhas).  Muito choro houve entre nós todos, os organizadores e ajudantes (sim, porque o nosso arraial ganhou tal dimensão que sem várias ajudas, nada teria sido feito).
Os meus filhos trabalharam como gente grande, desde à limpeza, à organização da quermesse, a servir imperiais ou servir nas mesas até as tantas da manhã. Foi mais uma experiência de vida.
Ontem dizia ao Pedro que quando tivesse a minha idade e estivesse também ele a organizar a festa da senhora da guia, ia contar aos filhos da sua primeira festa, que foi só um arraial de dois dias mas que foi brutal. E terá de lhes dizer que os avós é que tiveram a ideia de animar a malta, de juntar uns loucos como eles e fizeram o impossível no ano em que muitas pessoas morreram no nosso concelho por causa dos incêndios.
Ainda estamos todos muito emocionados com tudo.
Acabei a festa completamente esgotada, cansada, sem forças.  Dei uma semana de ferias à causa. Nao me arrependo nem um minuto. Acabei de coração cheio e muito orgulhosa.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Quando é que sabes que tens filhos crescidos? XV

Quando os teus filhos vão sair à noite com os amigos e tu ficas à espera deles, cheia de sono, até a uma da manhã. 

[Já tivemos direito, logo no 2 ° dia, a um "mamã, dá-me 5 euros que vamos ali ao café comer um gelado com os nossos amigos. ]

domingo, 30 de julho de 2017

Ainda sobre a nossa loucura

As coisas estão a ganhar proporções cada vez maior. Começou por ser um encontro, um convívio para que a tradição não morresse e tornou-se num arraial. O nosso trabalho, obviamente, é pro bono mas toda a gente está a dar tudo, desde as sardinhas pelo primo pescador, ao DJ que sempre fez a festa, às batatas e cebolas para o caldo verde, ao assador do porco, à gráfica que nós fez cartazes e senhas, às t-shirts estampadas, incrível. A parti do momento em que decidimos avançar, a comunidade juntou-se a nós e quis ajudar. Ninguém nos diz que não. Antes de pedir, já dizem que sim.
Já conseguimos vender 200 porta-chaves e tivemos doações de dinheiro, sem o pedir. 
Por tudo isso, a nossa loucura já valeu a pena, embora já tenhamos dito mil vezes "metemo-nos em cada uma..."

Quando é que sabes que não vais para nova?

Quando te despedes de dois amigos que vão para terra dizendo "façam boa viagem e vão devagar". Sinto que falta pouco para o "e quando chegarem, dêem um toque"!

sábado, 29 de julho de 2017

Férias

[Música para os meus ouvidos!]

terça-feira, 25 de julho de 2017

Momento louco

Quando decidimos, o pai cá de casa e eu, avançar com a organização da festa da nossa aldeia quando só faltam 3 semanas para ela acontecer. Falámos com 4 amigos, tão loucos como nós e siga. Era isso ou este seria o primeiro ano desde sempre que não tínhamos festa. Impensável e muito menos agora, que nosso concelho precisa de #renascer.
Os miúdos estão super super felizes. O Pedro já nos pedia há meses para fazer a festa. Eles adoram vender rifas, vender imperiais e sentirem-se, sobretudo, como membros da terra. 
Dia 19 de agosto, nos Lugarinhos - Castanheira de Pêra. A não perder. 



segunda-feira, 24 de julho de 2017

Quando é que sabes que tens filhos crescidos? XIV

Quando o teu mais velho toma as rédeas à coisa e ensina o mais novo a andar de bicicleta. 

terça-feira, 18 de julho de 2017

Quando é que sabes que tens filhos crescidos? XIII

Quando andas com as Havaianas do teu filho mais velho, uma vez que já calçamos o mesmo número. 

quinta-feira, 13 de julho de 2017

As mães, os ginásios e a culpa (sempre presente na vida de uma mãe)

Em março, depois da meia-maratona, o meu pé obrigou-me a uma pausa longa. Comecei a descompensar, a comer muito e sobretudo a pensar que ia ficar sem vontade de correr ou de fazer desporto. Uma verdadeira neurótica. 
No dia 17 de abril, pesei-me, tirei uma foto em soutien em frente ao espelho da casa de banho e fui inscrever-me no ginásio. 
No início, senti-me intimidada pelas pessoas que, aparentemente, se conheciam bem; pelos músculos XXL, pelos corpos fit's das miúdas mais novas e sobretudo pelos valores dos pesos que levantava versus os pesos levantados pelos outros. Mas a vontade de reforçar a massa muscular para prevenir futuras lesões na corrida falou mais alto que a vergonha e não me deixei afetar por essa neura. 
Fui todos os dias ao ginásio menos no dia da criança e ontem (uma espécie de ressaca dos anos do pai cá de casa). Acreditem que não foi fácil. Inicialmente, sentia-me egoísta por estar a usufruir de uma hora por dia só para mim, deixando os meus filhos em casa. Estava no ginásio a pensar que tinha de despachar tudo super rápido para ir ter com eles, coitadinhos, abandonados sem o meu carinho, sem a minha presença. Estava no gym quase sempre em sofrimento. Que neura! Sabia também que se não fosse, ia ficar lixada comigo, com eles e que o pai cá de casa ia apanhar por tabela. Outra neura, está visto. 
Aos poucos, ou talvez depois da Carolina ter dito que era um falso peso na consciência, que era a sociedade a martelar que uma mãe não podia ter tempo para ela, fui deixando essa ideia de lado e passei a ir sem culpa, sem complexos e com maior prazer. Efetivamente não sou nem pior nem melhor por ir ao ginásio e usufruir de uma hora só para mim. Não é essa hora que me determina enquanto mãe. Sei - e isso é extremamente importante -  que sou mais fácil de aturar quando vou e tenho mais paciência também para os aturar quando regresso. Deixa de haver tantas neuras portanto. Maravilha. 

Saber lidar com a culpa é coisa que me faz ver que estou a crescer...

[Nota: se eu fosse uma blogger da moda, punha a foto do antes (17/4) e depois (hoje) para sacar montes de propaganda desportiva da Prozis, myprotein, Nike e afins por causa do transformação do meu corpo.De facto, é incrível como é que ele se modificou tanto. Como sou a Tella, não ponho foto nenhuma, que os azulejos da minha casa de banho são horríveis e não quero que vejam!]