quinta-feira, 29 de março de 2012

Skinny Love

Enquanto oiço em modo repeat esta música do Bon Iver, tenho vontade de escrever. Escrever coisas sem nexo (ou não) e não reler. Deixar assim os dedos teclarem aleatoriamente (ou não) e escrver o que me passa pela cabeça. Caralho, há muito tempo que me apetece fazer isso. Escrever aqui, mesmo que seja para não dizer nada. Dizer que me sinto ora triste, ora feliz. Que ando numa corda bamba, sem saber o que fazer. Que ando a btincar a não sei quê. Que os meus filhos merecem uma mãe melhor do que isso. E esse "isso" nem sei o que é. Que a música que estou estou a ouvir está agora a entrar-me pela peito adentro ou será esta escrita irrefletida a fazê-lo? Não sei. Não sei grnade coisa, está visto. Estou meio a nora. E esta música a entrar-me aqui dentro. Nem percebo porquê. E eu, neste momento, já nem olho para o ecran. Nem sei o que escrevi. Sei que não interesssa a ninguém. Je m'en fous! Escrevo na mesma. Escrevo para tentar exteriorizar merdas que cá tenho. E os meus filhos? E Tella, os teus filhos, sangue do teu sangue? O que andas a fazer? Mas porquê agora? Foda-se, que estou mm baralhada. Que me sinto perdida, com vontade agora, neste preciso momento, de chorar. Mas já há muito tempo que não choro. Deve-lhe isso a ela que me ajudou a controlar as minhas emoçºoes. Eu já fui uma gaja que se fechou três horas numa casa de banho e chorar sem saber bem a razão. Hoje, não sou capaz de verter uma lágrima, mesmo qunado acho que deveria fazê-lo, só para aliviar, um pouco como a masturbação. Só mm para aliviar. Nada. E o silêncio. Aquele silêncio que incomoda, que mina, que fode. Uma merda. E estar em negação? Tb é lixado. É como varrer o pó para debaixo do tapete. Já fui pró nisso. Foram muitos anos a esconder n merdas debaixo do tapete. Agora a limpeza é mais difícil. Dolorosa.
Who will love you? pergunta a música.
E ando cansada, como qualquer mãe, ando cansada. Durmo pouco. Acordo antes do relógio despertar e com sono, mas sem conseguir dormir. Só queria fechar os olhos e ficar off, seja lá o que isso for. Há momentos em que realmente acho que não tenho estrutura para nada. Outras em que acho que depois de ter desconstruído a casa, começo a colocar novos alicerces e a reconstruir uma nova. Mas esta construção demora demasiado tempo. Pelo meio, quem se fode sou eu, que ando a chuva, sem abrigo.
E o meu trabalho, que gosto cada vez. E a relação com os putos que é cada vez mais afetiva e por isso, melhor em todos os sentidos. Uma descoberta muito boa. E o Gonçalo S. que me fez ver que não sou assim tão má quanto penso. E estas frases todas sem nexo a começarem por e. Ui!
A minha borboleta, que é do mais simbólico possível, do mais eu possível, que me lembra tanta coisa, que é mais do que uma borboleta.
E tu, que ficaste no cimo do escadote, que não me deixaste passar, que te sentaste sem esperar  por mim? Contempla o que fizeste. És a minha melhor lição.
[o dia de hoje foi do caralho]
e é tudo por agora. Acho eu. Não vou reler nada do que escrevi, para não cair na tentação de apagar o post. Amanhã talvez o apague. Mas agora, não me apetece. Não diz nada, dizendo tudo ou o contrário, nao sei. Mas eu sei pouca coisa.

terça-feira, 27 de março de 2012

Para mais tarde recordar

- És o meu maninho preferido!

segunda-feira, 26 de março de 2012

Eu sempre disse que havia de falar de tudo com os meus filhos!

- Mamã, por que razão a minha pila cola?
- Hein?
- A minha pila cola? Porquê?
(que raio de pergunta...)
- Huum...Sei lá.
- Responde mamã! [num tom que muitas das vezes antecipa um choro ou uma birra]
E eu, no meu melhor, respondo:
- Olha Tiago, eu tenho pipi, não te sei dizer. Tens de perguntar ao pai, ele é que tem pilinha como tu!
Ficou a olhar para mim, sorriu e disse:
- Pois é mamã [como quem diz "ela é iluminada!"].
Foi a correr ter com o pai e eu descartei-me da pergunta! Eu sempre bem no meu papel de mãe!

Breve 2

A relação entre eles é enternecedora.

Breve

Numa luta para dar o pequeno-almoço ao mais novo a quem ofereci torrada, leite no biberão com papas, leite no copo com palinha, pão com manteiga e iogurte, e já passada com a recusa dele em comer logo pela manhã, chega o mais velho à cozinha e diz, com ar superior:


- mamã, estás sempre a dar torradas ao mano. Não percebes que ele está farto e quer Nestum!


Foi ter com ele, deu-lhe um abraço e diz-lhe:


- Maninho, tens de comer tudo para ficar grande como eu... A mamã já te dá Nestum!




O Pedro, olhou para mim como quem diz "haja quem me perceba nesta casa". [mas claro que não quis Nestum. Acabou por comer um iogurte, quase enfiado pela goela abaixo!]




Estou lixada com os meus filhos...Um que pensa que sabe mais do que a mãe e o outro com a certeza que manda na mãe...[suspiro!]

sábado, 24 de março de 2012

O Veado Florido

Desde o dia do concerto no CCB, onde assistimos ao Veado Florido de António Torrado, que o Tiago me pede o livro. Comprei-o* só agora. Quando lho dei, o meu filho quis que lhe recordasse a música que acompanhou a história. Dizia ele "só me lembro da múscia do Pedro e o Lobo". Então, saiu-se com uma bela frase "temos de lá ir outra vez e ouvir a múscia mas não te esqueças porque tu és muito esquecida...!" [embrulha!]




Quanto ao livro, tenho a dizer que é caro (16 euros) mas que vale cada cêntimo: história muito bonita, linguagem rica e ilustrações fantásticas.

Afinal tinha!

Com o pai fora e com horários tardios, os meus lindos filhos estiveram com os avós durante uma semana.

Embora chegasse todos os dias às 21h00, esta semana soube-me muito bem: silêncio, não fazer nada, etc. Cheguei a dizer que não sentia saudades deles. Mas hoje, quando os fui buscar, até o coração acelerou. Tantos abraços, tantos beijos, tanto mel! Tão bom! E percebi que tinha saudades deles, muitas mesmo!


Eu, pelo Tiago

A mamã é linda, tem cabelos compridos, faz sopas deliciosas e, às vezes, comidas boas. Brinca muito comigo e dá-me sempre muitos abraços e beijinhos.

quarta-feira, 21 de março de 2012

quinta-feira, 8 de março de 2012

Uma flor

Hoje, o Tiago disse-me que queria oferecer uma flor à Inês [colega da escola ] porque amanhã é o dia da mulher (!). Pensei no assunto e inventei uma flor made at home. Quase toda feita pelo Tiago, claro!

domingo, 4 de março de 2012

Para memória futura ou as crianças são a melhor coisa do mundo.

- Gosto de ti Pedro.
Olha para mim, faz um sorriso lindo e grita:
- AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAGRRRRRRRR!

Fala mais alto que os senhores lá do fundo não te ouviram

Hoje de manhã, fomos ao jardim. No início, erámos só nós os três. Resolvi também descer os escorregas com eles e soltar[ainda mais] a miúda que há em mim. Quando estávamos a descer, o Tiago, a rir-se, grita "mamã, estás com o rabo à mostra"*. Neste preciso momento, passam duas pessoas pelo jardim... e fizeram aquela cara entre o "vamos rir a parva" e "realmente, há mães que não se topam".


*malditas calças de cintura baixa!

Para memória futura

- Sabes mamã, às vezes, és egoista!
- Porquê?
- Porque eu peço-te para jogar no teu computador e tu não deixas, ficas egoista.
[pausa]
- E agora, deixas-me jogar um pouco?!

quinta-feira, 1 de março de 2012

Onde estavas no dia 29 de fevereiro de 2008?

A próposito deste post da Mary, fui ver onde estava. Estava aqui e orgulhosa disto.

Parece que foi há uma vida atrás. A Tella de há 4 anos estava tão feliz (e de licença de parto) e deliciava-se com tudo, com coisas simples.
A Tella de hoje complicou-se e já não repara nas coisas simples. Perdeu-se ou encontrou-se?

Espero ter uma resposta no próximo 29 de fevereiro [de 2016].