segunda-feira, 29 de maio de 2017

Momento em família

Assisitir às segundas-feiras ao Ministério do Tempo, na RTP1.
Ultrapassado o primeiro episódio que é chato e longo, a série portuguesa vai agarrando, quer pela historia da História, quer pelos diálogos ou quer pelas personagens.
Com o Ministério do Tempo, os meus filhos tornaram-se fãs do Camões e do Pessoa, do episódio do milagre das Rosas e de outras batalhas de cavaleiros e do Reino que os deixam ligados à História. Adoro ver-nos sentados os 4 em torno de um programa, de uma série. 
As segundas-feiras são muito melhores. 
Quando penso numa "porta do tempo", penso logo ir vivenciar o "25 de Abril". Eles respondem qualquer coisa como "quando tu o o pai eram crianças! Ver o que faziam". 
Aquele momento em que a história do pai e mãe é maior do que tudo. Tão bom. 

[ A 1a temporada está disponível na RTP play.]

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Da saga Run Tella, run

Hoje corri dois quilómetros, depois de dois meses de paragem obrigatória. Dois quilómetros hoje, dois meses depois dos vinte e dois quilómetros na meia-maratona. Dois quilómetros sem dor ou ardor no pé.
Uma alegria tão grande, tão grande que nem dá para explicar. Eufórica como se tivesse ganho sei lá o quê!
Eu que cheguei a pensar não voltar a correr nunca mais. O drama senhoras, o drama, sempre a acompanhar-me!

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Quando é que sabes que não vais para nova?

Quando comentas que vais estudar com o teu filho matemática e essa pessoa te pergunta se o teu filho está em Ciências ou Artes, se tem matemática A ou B. 

Quando no ginásio, um miúdo com 18 anos, mais coisa menos coisa, te aborda e te diz "peço desculpa minha senhora, estas chaves são suas?"
[morri um pouco com o "minha senhora"]
 

domingo, 14 de maio de 2017

39 anos

Hoje faço 39 anos.
A madeixa branca alarga-se e agora tende a deixar de ser madeixa porque os cabelos brancos resolveram espalhar-se um pouco por todo o lado  Continuo a viver com ela e a pensar que dá pinta, como da ao Cloney ou à Lagarde, e que é fixe assumi-los. As rugas em torno dos olhos também, embora, vá, não sejam ainda do outro mundo. Tento, através do desporto, que o corpo não se deixe arrastar pelo tempo que passa. Quero-o ágil e tonificado. Aí sim, quero enganar o tempo, correr para fugir dele. 
Este ano, ao contrário dos outros, não estou naquela coisa de "ah e tal, isso passa tão rápido, já é metade da minha vida e coiso". Sinto serenidade no ano antes dos -entas. 
Tenho 39 anos, dois filhos que me enchem muito, um pai cá de casa que está sempre ao meu lado e de quem me orgulho muito, dois gatos que me enchem tudo de pêlo mas que são parte da família, um mano e  uma sobrinha que assentaram, desde sempre, praça cá dentro, uns pais e uns sogros amigos que são avós importantes para os meus filhos, uma avó maravilhosa de 91 anos, por quem sinto um afeto cada vez mais forte e a Carolina, que não sendo família, o é. Ponto. Tenho amigos, poucos mas bons, com os quais rio, choro e converso. 
Sou uma felizarda. Tenho uma vida, que não sendo perfeita, com a graça do senhor, é fixe. La vie est un long fleuve tranquille. E isso, vale ouro, mesmo com 39 anos. Os números foram sempre demasiados valorizados, essa é que é essa. 
Venham outros 39 que cá estou para lhes mostrar que são um nada. 

sábado, 6 de maio de 2017

Quando é que sabes que não vais para nova?

Quando o teu pai, quando lhe dizes a idade que vais fazer (!), te responde de volta, com toda a seriedade: "Estás velhota filha! Já não és nenhuma jovem!"