domingo, 28 de agosto de 2016

Quando os momentos felizes são do mais simples que há

Viemos passar o dia numa barragem, num sítio deserto.
Trouxemos manta de trapos, comida, livros e cá estamos os 4, sozinhos. Pousei agora o livro e oiço-os brincar na mata, num mundo imaginário e fabuloso onde entra um mestre de karaté, uma cabana construída por eles, um borrego a assar (e nota-se pela escolha da comida que estamos num sítio onde a chanfana é prato regional...), uma porta mágica e treinos para ser lutador.

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Coisas para as quais não tenho paciência e que já me fazem revirar os olhos e, nalguns casos, dar uma resposta torta

"Ó Tella, come um pouco de leitão".
"Ó Tella, e borrego, toma, vá, anda!"
"Ó Tella, carne não comes mas vá, só hoje, toma lá entremeada."

Enfim, e não percebem que 4 anos depois de deixar de comer carne, já não há paciência pra merdas dessas...

sábado, 20 de agosto de 2016

Meu querido mês de agosto


Agosto é olhar para o azul do céu e do mar, sentir os pés na areia fina, vivenciar o pôr do sol e ficar quase enfeitiçada por ele, ouvir as gargalhadas deles nas ondas, os "cá vai bomba", estar sentado à mesa e não ouvir nada sem ser os pássaros, sentir uma ligeira brisa que sabe deliciosamente bem, ler vários livros, deixá-los ir sozinhos com os amigos de verão e não saber onde estão,  correr na areia ou na serra, apreciando as várias paisagens e parar para absorver tudo o que nos rodeia, num silêncio apaziguador,  estar na terra e senti-la como nossa, estar numa cama de rede e pensar "ui que bom", mergulhar nas águas gélidas dos rios e sentir-se revigorada, caminhar pelos trilhos, na serra,  cheirar a terra e gritar lá no meio para expiar os nossos males, amarguras e raivas, sentir um sol quente na pele enquanto se lê nas fragas, ao som do rio, dos pássaros e das brincadeiras deles lá ao fundo, é reencontrar os amigos, é beber caipirinhas e imperiais mas comer sempre de forma saudável, é estar com a família, é bailar nos bailes de verão, é sossegar ânsias é carregar energias ao som do vento que bate nas folhas das árvores, é ter um mês que parece que não acaba, é sardinhas e melão, é o verde da serra que contrasta com o azul do céu, é o brilho das estrelas que nos fazem sentir pequenos e que me hipnotizam.
Agosto, o meu querido mês.

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Pergunta pertinente

Alguém com filhos consegue manter a toalha sem areia durante muito tempo?
Os meus são os únicos que me tiram do sério quanto a isso?

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Das férias

Estou novamente no sítio de sempre, com as pessoas de sempre.
Este sítio, a ilha maravilha como lhe chama a MaryQA, tem poderes. Estão a ver o Lost? Pois bem, aqui é assim também. Há umas ondas positivas a passar por nós, há momentos quase oníricos, há vontades que não se explicam e há crenças que é aqui o arranque de um ano bom, como disse a Carolina em 2015. E foi mesmo.
É aqui que passo férias com os meus filhos desde que nasceram e é aqui que eles têm uma total liberdade. Foi aqui que deixei de comer carne há 4 anos, que deixei de fumar e que comecei a correr há precisamente um ano.