terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Uma estreia aos 35 anos*

Tenho, pela primeira vez, um olho negro. Cortesia do filho mais novo, numa brincadeira parva que é "vamos empurrar a mamã da cama".
Vamos só dizer que por vezes, levamos as brincadeiras demasiado a sério!

(Ao contrário de outras vezes, não soltei nenhuma palavra feia... Nem deu...até vi estrelas!)

* fiquei na dúvida quanto a minha idade (mais uma prova que não vou para nova)

sábado, 22 de fevereiro de 2014

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Da leitura

Acho que está a começar o click da leitura. Hoje, consegui ler muitas frases, alias o livro quase todo, muitas vezes já sem recorrer à técnica da si_la_ba_a_si_la_ba. 
 (e este livro, ele não o sabe de cor porque é um livro pouco lido, uma vez que o deixa triste no início...)


A preparar uma surpresa para a amiga

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Sobre a saudade

Não há um dia, um dia mesmo, em que não me lembre de ti. Desta vez, doeu cá dentro, tanto mas tanto que o coração ficou a cavalgar que nem louco.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Dos dentes

Os dois têm dentes ótimos, sem cáries mas...

O Tiago andava há 3 semanas com umas manchas pretas/castanhas muito escuras em várias dentes. Assustou-me porque alastraram em dias. A dentista disse para não me preocupar porque é apenas uma coisa chamada pigmentação negra fisiológica no dente pediátrico (ou linha preta). 

A pigmentação negra fisiológica no dente pediátrico é muito frequente nas crianças e desaparece com o crescimento em consequência da insuficiente maturação salivar nestas idades.
Na criança, esta imaturidade é fisiológica e, portanto, própria da idade. Entre os 6 e os 8 anos de idade, altura em que a maturação salivar já deverá estar concluída, este pigmento deixa de se formar. Infelizmente, até se atingir a maturação salivar nada há a fazer para se prevenir o seu aparecimento.
A limpeza remove facilmente este pigmento, sem causar dor e sem danificar os dentes.  O problema é apenas estético. Habitualmente são necessárias várias limpezas, já que este pigmento tem tendência a reaparecer pouco após a sua remoção.

Nunca tinha ouvido falar dessa...

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Da música

A propósito do post anterior, lembrei-me de ouvir as músicas dos meus filhos. São três.  Uma para o Tiago e as duas outras para o Pedro. São músicas que nos ligam, de uma forma ou de outra.

A música do Tiago é A Pedra Filosofal
Ele tinha um, dois ou três meses, não me recordo. Estava sentada no sofá, a dar mama, a televisão estava ligada, o Manuel Freire aparece e canta a música, como, a meu ver, nunca tinha cantado. Assim, qualquer coisa de brutal. Aquele momento foi mágico, foi divino. O Tiago aninhado no meu regaço, eu com as hormonas todas loucas e aquela música a tocar...Mais do que suficiente para chorar baba e ranho. Ainda hoje, quando oiço a música, sinto a mesma coisa... Qualquer coisa entre esperança, felicidade e Amor, um aperto sempre no peito. E as lágrimas sempre no canto do olho...

As músicas do Pedro são O Balão do João e Você é linda.
Tinha o Pedro 3 meses quando foi internado. Quando cheguei ao HGO (ainda sem saber que ia ficar por lá, mas percebendo que o meu bebé não estava bem), estive na sala de espera onde os voluntários tocavam músicas para as crianças. Um jovem, com a viola na mão, aproximou-se de nós e com a voz mais bela e mais doce que eu alguma vez ouvira, cantou-nos essa música. Sinceramente, ainda hoje acho que ele cantou aquela música só para mim, para me acalmar. Chorei o tempo todo, agradecendo-lhe com um olhar que ele retribui. (e pronto, já choro outra vez)
O Caetano... Quando me disseram que o Pedro poderia eventualmente ter uma doença em que não chegaria aos 30 anos, eu atrofiei, como e óbvio. Até fazer os exames, para mim, o copo estava meio vazio. Na maioria das vezes, quando agarrava no meu filho, desatava a chorar. Num desses dias, não quis chorar e dancei com ele no meio da cozinha, cantando-lhe essa música ao ouvido (e claro que chorei), alterando a letra apenas para "Você é lindo". Passou a ser comum, desde então, dançarmos essa música, enquanto eu canto. Mas agora, não choro. Fico feliz assim...muito, muito, muito.

Atualmente, o Pedro adora a música dele - a do Caetano -  e pede "podes pôr a minha música a tocar?". O Tiago não acha muita piada a dele. 

O que se ouve aqui

Arcade Fire - Reflektor

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Mais um post sobre a primária*

Depois de mais umas cenas dramáticas do meu filho mais velho, que desatou a chorar a bater à porta (de vidro) do gabinete e a dizer coisas como "quero ficar contigo, não quero estar na escola". (que momento triste para mim e para ele...enfim...) ou de querer sair do portão da escola, aos berros a gritar por mim e a dizer "quero ficar contigo mamã", fui falar com a professora. 
Mas antes de falar com a prof dele, encontro a professora de desenho que me diz, sem eu perguntar nada, que gosta muito do puto e que ele está super feliz na escola! Oi? Continuou dizendo que ele era inteligente, quer dizer, não era sobre-dotado, mas era inteligente, rápido no raciocínio, mas sempre a dizer que não conseguia realizar as tarefas propostas, alegando inclusivamente, que estava naquela escola há pouco tempo... Acha ela que não é manha, é um pouco inseguro. Disse ainda que era muito distraído, conversador e malandro, dizendo coisas com graças no meio do ateliê e outras sem graça nenhuma. Contei-lhe então das cenas dramáticas dele. Ela respondeu-me que devia ser chantagem emocional e que de facto ele é assim meio estouvado, mas que também é sensível... 
A professora dele disse-me que ele era muito distraído, que se distrai com tudo. Mudou-o de lugar, afastando-o da janela para não ter vista para o pátio onde uma folha a dançar com o vento era motivo suficiente para o levar para outro sítio. É lento a fazer os trabalhos mas que entende que tem o seu ritmo, até porque, dizia ela, "é uma pena ele ser tão distraído" porque ele tem uma boa cabeça, um rapaz que pensa bem. Para que ele se concentre e faça aquilo que é pedido, tem de estar na mesa da professora, como ontem ou hoje, em que fez tudo marabilhosamente (a prof é do Porto) bem. Ele é esperto, é inteligente, mas não pode ser tão brincalhão. "Tudo é brincadeira para ele!". Entretanto chega o Tiago e ela diz-lhe "Tiago, tu sabes que a primária é um comboio. Queres entrar, não queres?" E ele riu-se e ela acrescentou "se for preciso, dou-te uma galheta!" e os dois desataram a rir. Uma boa onda entre eles! 
Falei-lhe dos dramas dele. Ela confirmou-me que ele brinca com todos mas que tem necessidade que todos gostem dele. E por vezes, faz cenas tristes para ser aceite pelos outros. Os amigos dele estão em 50 mil atividades extra à hora de almoço e é aí que ela o sente mais sozinho, mas 5 minutos, se tanto porque ele vai para a biblioteca ou vai ter com os outros e infiltra-se.
Resumindo e concluído que este post já vai longo, o meu filho é um drama queen, qualquer coisa para ele é uma tempestade (raio da genética pá, que isto vem de mim). desmamar o puto da minha porta, fazê-lo ver que a escola é o meu local de trabalho e que ele não pode ir ter comigo com essas coisas.

Estou mais aliviada.

*eu não dizia, há um tempo, que a primária era um tema tão vasto como a amamentação!