sábado, 31 de janeiro de 2015

Descoberta dos 34 anos .

Entusiasmada com o relato das minhas companheiras de tabela (obrigada, obrigada), decidi fazer e comer granola pela primeira vez.

A sério, como é que uma coisa tão simples, rápida, saudável e deliciosa me passou tantos anos ao lado?

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Acabaram-se as festas !

Hoje foi dia de demanchar a árvore de Natal. Hoje a preguiça não venceu!
Tivemos direito a som de música natalícia e tudo!

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Dos 5 anos do Pedro

Depois de ter ido à escola dele com o mano cantar-lhe os parabéns, viemos para casa. Ficámos os dois na cozinha a fazer mais um bolo de anos.  Agarrei nele, olhei-o nos olhos e disse-lhe aquilo que sentia, o blá blá blá de mãe lamechas  em dia de anos do filho. Aquele olhar dele a encher-se de lágrimas e o seu sorriso emocionaram-me. Abraçou-me e disse "deixa-me ouvir o teu coração cheio de amor para mim".
Emoção ao rubro, claro.

5 anos de ti Pedro

Hoje, o meu bebé faz 5 anos. 
Obviamente que já não é um bebé mas no meu coração, o Pedro será sempre o meu bebé, até porque é o mais novo.
Ele é aquele que dorme, puxando o meu cabelo, aquele que diz sempre "és winda mamã", aquele que me diz do nada, entre duas brincadeiras "amo-te muuuito", aquele que parece desligado mas que está sempre atento e que nos surpreende com tanto carinho. No fundo, ele é aquele que é meu tudo.

domingo, 18 de janeiro de 2015

Carro

Tu sabes que está na altura de limpar o interior do teu carro quando um colega do teu filho, ao passar por nós a entrar no dito cujo, diz "o carro da tua mãe é como o da minha: parecem um trash pack."

(e sim, puto tinha a sua razão. Foram 3 sacos de lixo.)

(Esta semana, a Rita Ferro Rodrigues escreveu sobre o tema no site maria capaz. É isso mas com mais porcaria e com os elásticos das pulseiras do verão passado. )

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

As notas

(Post "ai, a primária, bem mais complexa do que a amamentação!")

Há mães que acham que os filhos são muito inteligentes, que sabem tudo, que vão ter grandes notas na escola. Não me encaixo nessas mães. Acho sempre, estupidez minha, que o Tiago sabe menos que os outros, que tem algumas dificuldades e que consequentemente, terá notas apenas satisfatórias. 
E sei que devia acreditar mais no meu filho. Diariamente lhe digo que ele pode tudo, que tem um mundo dentro dele e que consegue. Mas depois, no meu intimo, duvido. 
E depois, ele dá-me esse maravilhosa estalada de luva branca e tem notas acima do satisfatório. E penso que sou mesmo parva.
Questiono-me imensas vezes sobre isso e depois de ter falado com umas amigas sobre o tema, começo a perceber o porquê de pensar assim... Já é um início...Que 2015 também me traga capacidade de "ver" melhor as coisas (e de ser menos parva, by the way!)

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Para 2015

Sem resoluções porque já sei que não adianta grande coisa.
Espero continuar a ler, a descobrir boas séries e vê -las aninhada na gata e no pai cá de casa, estar com as amigas do coração, com a família e acima de tudo ter muita saúde.
(E só podes estar bem crescida quando pedes coisas banais e saúde.)

De 2014

Em 2014, li 14 livros. Continuo a achar pouco mas comparando com 2008, ano em que só  li um livro e ligado à  maternidade, estou a fazer progressos. 2014 foi também o ano em que nao fiz exercício físico nem deixei de fumar. Mas foi um ano em que comi ou tentei sempre comer em consciência, tendo em conta a minha saúde. 2014 foi o ano em que descobri que sou um pouco hipocondríaca, onde uns quistos na mama me asustaram muito, assim como umas manchas no útero. 2014 foi o ano em que vi o meu Pedro dar um pulo no seu crescimento e vi o meu Tiago tornar-se um rapazote. Em 2014, tive uma das melhores férias de sempre, com as pessoas de sempre (vá,  mais a MJ). Foram também as férias que mais duraram ou que pareceram durar mais. Em 2014, fui passar pela primeira vez uns dias ao hotel com os putos que deliraram muito. Em 2014, nasceu a minha sobrinha que me enche o coração e que me dá vontade de ter mais um bebé. Foi o ano em que estive em paz comigo própria. Foi o ano em que percebi que deveria novamente fazer terapia porque sinto-me a perder algumas ferramentas e fortalezas que tinha adquirido  (acho eu) . Foi mais uma vez o ano em que me deixei engolir pela pressão do trabalho e pelas histórias do diz que disse. 2014 foi o ano em que a minha sogra me fez uma declaração de amor que guardo cá dentro. Ah! E o calendário do Advento de 2014 foi o máximo.
Foi um ano calmo e sereno. Não foi intenso, nem dificil, nem fácil. Foi, simplesmente.