segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

O Mau



O "mau" tem neste momento um rosto para o meu filho. É este senhor a quem o Tiago insiste em chamar "Vitor da espada". Percebeu mal o nome dele e ficou desde então. O nosso filho, rapaz esperto, percebeu que ele não é o único e acrescenta "há outro mau...O Passos Coelho".






quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Filho único por uns dias

O Tiago pediu-me para ir passar uns dias para a casa do avô. Ó filho, claro que podes! Vai e leva o teu mano que a mamã precisa de descansar um pouco. Mas o avô, que coiso, que não sei quê, "só levo um porque estar com os dois é muito difícil". Levaram o mais velho e deixaram o mais novo.


E é tão bom poder desfrutar só do mais pequeno. Mimá-lo como nunca foi. Brincar exclusivamente com ele. Dar-lhe 100 % do meu tempo. Ficar ainda mais apaixonada por ele. Delicioso.


Já não me lembrava como é muito mais fácil estarmos só com um filho. Quase que me sinto de férias!




[O Pedro pergunta 50 000 vezes pelo Tiago e quando acorda, a primeira coisa que pergunta é "o mano?"]

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Compensar

Como hoje só conseguimos ir buscar os miúdos às 19h30, decidi fazer uma coisa diferente (para que o sentimento de culpa não pese muito). Enquanto o pai os foi buscar, fui comprar duas pizzas (coisa insólita) e fomos fazer um pique-nique...no meio da sala, com direito a toalha de xadrez e relva ...da carpete (tiago dixit) ao som do Panda 4, com direito a dança e a sessão fotográfica bem divertida! Não houve choro, nem birras, nem nervos, nem gritos... Coisa insólita também ...


Só tivemos duas horas com eles* (porra, duas horas!), e mesmo assim, ao deitar-se, o Tiago disse-me que o dia tinha sido muito divertido!


Quebrar as rotinas também é importante.




[*que vida mais estúpida a nossa!]

Tiago a soltar o lado tuga que há dentro dele

- O que é que fizeste hoje na escola?
- Nada ... foi só trabalhar, trabalhar, trabalhar, trabalhar!

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Estreia




Hoje, o Tiago foi ao primeiro concerto dele. Fomos os dois ver a Orquestra Metropolitana de Lisboa no CCB. Assistimos a isto.


Quando cheguei ao CCB, o Tiago resolveu dizer-me que não queria ir, que queria ir para casa. Combinei com ele que se não gostasse do concerto, iamos embora. Ficámos até ao fim.


Enquanto esperávamos pelo início, fui falando com ele e a determinada altura, disse-lhe que quando as pessoas gostavam muito, levantavam-se para bater palmas. No fim, ele levantou-se para bater palmas. Olhou para mim e perguntou-me se não tinha gostado. Disse-lhe que sim. "Então bate palmas em pé!"


Ainda lhe perguntei do que tinha gostado mais. "Gostei de tudo mamã!". "Quero levar os instrumentos todos para casa".
Uma experiência muito gira, muito íntima também ... porque ele esteve sempre ao meu colo a absorver aquilo tudo e a sussurar ao meu ouvido perguntas engraçadas...

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Gosto dos posts que conseguem caber num título.

Beijinhos, beijinhos

Por cá, estamos fãs deste livro.

É uma história em que exemplificamos os beijinhos dados, sendo que o beijo com mais sucesso é o beijo do cão. Relativamente ao beijinho "à cão" que o Pedro dá ao mano, este só diz "é só baba, que noooojo!"


A modos que é isso: pequenas coisas que tomam grandes proporções.

Coisa boa

Depois de estar na cama há pelo menos uma hora, o Tiago levantou-se, veio ter comigo à sala e quando viu a minha cara [de zangada], sorriu e disse "quero só dizer que gosto muito de ti". Voltou para cama, feliz. Eu continuei a ver testes mais bem disposta!

Nossa, nossa

Comentava eu com o pai cá de casa que a sala dos 4 anos do sítio onde trabalho tinha ido a uma exposição no CCB quando o Tiago entra na cozinha a cantar "Ai se eu te pego". Ao que parece estiveram a cantar e a dançar ao som dessa música a tarde toda!

Seriously?

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Como se começa a falar num filho e nas saudades e se termina com qualquer coisa sem sentido, mas muito influenciado pela avó!

Há uma semana que o Tiago tem ataques de choro na escola. Diz a educadora que desata a chorar a dizer que quer a mamã, que tem saudades minhas, etc. Dura uns bons minutos e ele fica muito nervoso. [Coração de mãe sofre e fica tão pequeno.] Já falei com ele (a mamã está sempre contigo, no teu coração e a mamã tem de ir trabalhar, etc) mas ele é irredútivel no seu "quero estar contigo sempre".
O que faço? Batizo-o também?

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Como se começa a falar de uma educadora e de um filho e se termina a falar em bruxarias!

O ar da educadora do Pedro quando o vou buscar é desesperante. Ela já não sabe o que fazer ao rapaz. Queixa-se que ele se porta mal, muito mal.

Parece que por lá, ele também tem o diabo no corpo.

O que fazer?


[A minha querida avó continua a bater na mesma tecla "enquanto não os batizares, blá blá blá". No dia de aniversário do mais novo, apontou para ele e disse, com aquele ar vocês-não-querem-crer-no-que-vos-digo-mas-eu-é-que-sei, "enquanto não o batizares, o bruxedo vai andar sempre com ele!"

Daquela mulher, só saem pérolas! ]

domingo, 5 de fevereiro de 2012

O meu Tiago ainda não fez psicanálise mas já percebeu como funciona a coisa!

- Isto é tudo por causa da tua culpa!

[Embrulha mãe!!]

Ups!




Peço ajuda aos putos para pôr a mesa. O Pedro precipita-se, agarra nos pratos todos e... deixa-os cair no chão.


Na Grécia, partir pratos é muito giro e não sei quê da tradição que celebra a vida. Aqui, em casa, é uma chatice porque ficamos só com 4 pratos.

Entre manos

- Não venhas pr'aqui para me chatear! Ouviste, maninho?!

Pequenos cientistas

De manhã, fizemos esta experiência. Fixe!

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Estou novamente a criar um monstro

O Pedro acorda por volta das 4h00 da manhã, inconsolável, nem o leitinho, nem a Inês, nada... Nada? Não é bem assim... A cama da mãe tem qualquer coisa de mágico que o faz dormir num segundo!
(Já não me basta o mais velho que ainda acorda todas as noites para vir para a nossa...)

(Gosto de dormir com os meus filhos, mas entre um que dorme agarrado a um sinal que cá tenho e o outro a puxar-me o cabelo... dormir é coisa que não faço)

Já sei por que razão não gosto de matemática e de números...

Ontem, dei por mim a contar as horas que os meus filhos passam (quase) diariamente na creche: 10 horas! Too much... Que horror!