terça-feira, 28 de março de 2017

A nossa gata está internada desde sexta-feira.
Ontem, disseram que teriam talvez de lhe fazer um by pass, pois um dos rins estava muito debilitado e sem conseguir filtrar. A cirurgia implica mais ou menos uma fortuna. 
Neste caso, um gato é um gato, pensamos nós. Um gato é um gato. Um animal é um animal. 
Informamos então os miúdos que haveria a hipótese da gata não voltar à casa. Houve choro do mais velho claro e força para não chorar do mais novo, claro. 
Fomos então ao hospital vê-la, uma espécie de"goodbye" e foi muito mau. Ela ali, coitadinha,  naquele estado; o Tiago a dizer que " não vou chorar, não vou chorar, não vou chorar mas vai ficar bem, não vai?", o Pedro a entrar em parafuso, a dizer que queria sair dali. Eu, claro, a chorar, a chorar e a despedir-me dela de coração partido. 
Fui falar, dentro do possível, com o médico. Teriam de lhe remover um rim, que está quase a colapsar. A operação teria outro preço. Outra fortuna, mas mais baixa que a estimada anteriormente. Os miúdos a perguntarem se pagavamos, porque não pagavamos, mas "diz ao médico que sim", etc. "Mas não tens dinheiro mamã?" 
Para eles, um gato é um gato mas a Fifi é a Fifi, um elemento da família. 
O Pedro, já mais calmo (ou não), na rua, mostrou-me qual a decisão a tomar ao dizer-me que podíamos pagar a operação com o dinheiro da caixa [um mealheiro nosso que já deve ter uns 250 euros, mais ou menos, que já temos há um ano para irmos todos à Disneyland...]. Aprendi então com o meu filho que gastamos o dinheiro naquilo que vale realmente a pena e que a  Fifi vale a pena! Pelos nossos,fazemos tudo. 

1 comentário:

Raquel Ribeiro disse...

beijinhos! já passei por algo semelhante com a nossa cadela!
força