terça-feira, 6 de junho de 2017

Eu, a eterna estagiária

No meu primeiro ano enquanto professora, ainda estagiária, emocionei-me na última aula com os meus alunos do 8°ano. Eram apenas 11 miúdos. Ainda me lembro da cara deles mas só o nome de alguns: do André, que disse "merda" numa aula, da Xana que percebeu comigo o que era o passé composé, da Andreia e de pouco mais.
Lembro-me de me terem dito que essa coisa das lágrimas ao despedir-me de uma turma só acontecia no início da carreira. Também achei que sim, até porque nunca nenhum professor tinha chorado à minha frente. Ficou claro na minha cabeça que só podia ser " coisa de estagiária". 
Os anos passaram-se e a "coisa de estagiária" continuou. No último dia de aula, fico com um nó na garganta. Por vezes aguento, sobretudo quando são turmas pouco dadas ou com quem não consegui criar grande empatia, outras vezes, não. Basta uma palavra, um agradecimento, um abraço, uma doença filha da mãe ou simplesmente a  despedida em si, minutos antes do toque. Todos os anos, todos eles desde 2002, eu emociono-me com os meus alunos. Dizer adeus sempre foi tramado. Dizer adeus às pessoas com quem efetivamente estamos é ainda pior. 
Ontem, com uma turma do 9°, aguentei, aguentei e depois, vieram 4 miúdas ter comigo, já depois do toque, a pedir um abraço e a dizerem coisas que me aqueceram e eu, pronto, já sabem. Isso mesmo. 
Mas hoje, hoje foi especial. A minha turma do coração, que foi minha do 7° ao 9° ano, que coordenei durante dois anos, teve a última aula comigo. Acordei de madrugada a pensar que me ia despedir deles e que me ia custar muito. 
E custou senhores. Muito. Chorei eu e choraram todos eles. Não tentei conter as lágrimas, pois temos uma relação muito boa, que assenta no respeito, e, como lhes disse, não tenho vergonha do que sinto. Foi bonito. Foi bom. 
Com eles aprendi sobretudo a ouvir os adolescentes com mais atenção e tive a certeza, embora já o soubesse há mais tempo, que dar aulas é muito mais do que transmitir conhecimento, atingir metas e coisas assim decretadas num papel por pessoas fechadas em gabinetes. Ser professora, sobretudo daquela turma, é envolver-me, repensar cada tarefa, pensar nos que têm mais dificuldades, fazê-los pensar sobre coisas que nada têm a ver com a matéria mas que têm de ser pensadas, saber quando o pai de um regressa de África, perguntar pelo pai doente de outro, saber da história da separação dos pais, dizer-lhe "és uma força, acredita", contar-lhes a minha cena com a corrida como metáfora para chegar às metas, ao que desejamos; lembrar-me do texto que uma aluna escreveu sobre a avó no 7°, da piada dita no 8°, and so on. Podia ficar aqui a escrever e escrever.
Espero que dentro de alguns anos se lembrem de mim e que digam "bem, eu tive uma professora de francês que foi muito importante para mim" porque eles foram verdadeiramente importantes para mim. Dei sermões, ralhei, castiguei, chamei encarregados de educação, passei-me mas também ri muito, desabafei, ouvi, conversei e plantei sementes que hão de germinar de uma forma saudável.
Vi-os crescer e foi um prazer. 

[Há pouco, encontrei nem sei bem como um texto de uma aluna da dita turma no FB. A miúda sai da escola e escreve muita coisa, fala de muita gente e fala de mim. Fiquei então com a certeza que sim, que deixei lá qualquer coisa e que fiz, pelo menos, uma coisa certa. ]

Sem comentários: