quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Estudar com os nossos filhos

O meu filho mais velho está mais autónomo nessa coisa da escola. Faz os TPC sempre de forma responsável e nunca tenho de lhe dizer que tem de os fazer. Um descanso este 4° ano no que diz respeito aos TPC, que são sempre poucos, com a graça da senhora professora.
No entanto, nas épocas de testes, quer a minha ajuda. E eu ajudo-o, pois claro. E faço com um certo prazer. Gosto de estudar português, de ler textos, de perceber que ele o percebeu, de escrever textos a meias com ele, de lhe fazer perguntas de gramática (e o meu rapaz sai-se tão bem na gramática). Aprecio estudar inglês porque tentamos falar só inglês um com o outro e é muito giro. Também gosto de Estudo do Meio, que este ano é sobretudo história, disciplina que sempre adorei. 
E depois temos a matemática. Pfff, disciplina que é quase venerada na nossa escola mas que eu pfff, coiso.
Não sei precisar exatamente em que fase da minha vida em que a matemática passou a ser um enorme X, uma incógnita absoluta e nem as explicações no 8° ano me fizeram apanhar o comboio dos números. Eu, Tella Marie, assumo aqui perante vós, caras e caros leitores, sou uma nulidade no que diz respeito ao raciocínio matemático! Algoritmos, frações (simples), perímetros , áreas e pouco mais. O básico do básico, estão a ver?
Mas voltando ao meu Tiago e ao seu estudo... Estudar matemática com ele complica-me o sistema. Ele pergunta-me qualquer coisa e oiço-me dizer que sim, quando nem sei se sim, se não, se o camandro! Há qualquer coisa em mim, quando se fala dessa disciplina, que desliga, que complica. Os números toldam-me o discernimento. Ao fim de alguns momentos, digo-lhe "o pai trata disso contigo", desculpando-me com o jantar, os meus testes para corrigir ou até limpar a areia dos gatos! Sim, sempre saídas airosas! Sim, qualquer coisa para fugir das medidas de comprimento, das situações problemáticas, das leituras de classes dos números e afins. 

[Espero que nenhum deles seja como eu, que às vezes receio que essa incompatibilidade com os números seja genética!]

[E aqueles problemas que metiam comboios que saiam às X horas da estação A e que se cruzavam com o comboio Y às tais horas? Sinto a pulsação a acelerar quando me lembro deles.]

2 comentários:

Raquel Ribeiro disse...

heheheh somos todos diferentes! eu adoro acompanha-lo (aqui é mais conversar sobre, do que estudar, já que ele faz tcp no atl) em matérias de matemática e estudo do meio (se for de ciências) e fujo do português (até porque ate os tempos verbais me afligem) e ultimamente tem sido cá uma seca com a história de portugal, que ele adora e eu abomino, o que fazer????!!!!
hoje ia apresentar na biblioteca escolar (a sala de aula dele é um monobloco, sem pc ou projetor) um trabalho de grupo em powerpoint junto com 4 colegas sobre a Expansão Marítima e estava numa excitação que só visto!!!

beijocas

Isa disse...

Enquanto se tratar de matéria de primeiro ciclo, não vou sentir dificuldade em nenhuma área, mas quando eles passarem para o segundo ciclo, acho que, em algumas disciplinas, também os vou mandar estudar com o pai!! LOL