sábado, 8 de dezembro de 2018

Run Tella, run!

No domingo passado, participei na meia-maratona dos Descobrimentos. Estava com receio porque tinha treinado pouco e comido mal. Entre pesadelos, ansiedade e intestinos completamente doidos, lá fui!
E foi tão bom! Corri sempre confortavelmente e houve até um momento em que acreditei que ia fazer a prova abaixo das duas horas. A cada km, o relógio dava-me bons resultados. A minha cabeça começou a fazer contas e mais contas mas ao km 16, o ritmo caiu e ao km 18, a minha matemática provou-me que ia fazer mais do que 2h00. Foram 2h05. Uau.
Fiquei super cheia de mim. Acho que até cresci uns centímetros no momento em que cheguei à meta. 
Almocei com a medalha ao pescoço e estive com ela o dia todo. O Pedro revirou os olhos quando lhe disse, com voz mete-nojo: "a mamã tem uma me-daaaa-lhaaaaa". Sou muito infantil, eu sei!
Os niveis de bazófia estiveram em alta durante mais uns dias. Uma colega disse-me que estava brilhante e a minha colega de ciências explicou-me que estava a produzir a hormona do amor - oxitocina -  aquela que é desenvolvida quando se faz atividade física com prazer. Na mouche, que correr 21,2km com gosto e alegria (tão diferente da minha última meia-maratona, que foi sofrida e dolorosa) é quase orgasmico.
Daí o brilho da outra, tá visto!

Vão por mim e ide correr. Não se vão arrepender!


2 comentários:

carolina disse...

LOOL! Adorei o pormenor de teres almoçado de medalha ao peito!

Mary QA disse...

Tella, és a maior. Mesmo!

Dito isto, já tentei correr e garanto que não me senti assim!